Antonina

Arquitetura Civil

A história de Antonina pode ser lida na sua paisagem arquitetônica. Ainda sobrevive a arquitetura luso-brasileira dos primeiros anos, edificada em pedra.
Do segundo período, fase áurea da história local, permaneceu a arquitetura eclética representada por alguns prédios marcantes da cidade.
Ficou também desse período uma grande quantidade de galpões e armazéns.
Esses dois tipos de arquitetura estão mesclados na paisagem urbana formando seqüências harmônicas em termos de escala, embora individualmente as edificações sejam bastante contrastadas.
A importância da arquitetura antiga de Antonina está justamente nessa harmonia de conjunto em que cada elemento contribui das ruínas aos sobrados ecléticos.
A caracterização tipológica dos edifícios situados na área central abrange 4 categorias: Arquitetura luso-brasileira, Arquitetura Eclética, Arquitetura Romântica e Arquitetura Contemporânea.

  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil
  • Arquitetura Civil

Complexo Industrial Matarazzo

Localizado no prolongamento da Avenida Matarazzo, junto ao porto de Antonina, o Complexo Industrial Matarazzo foi edificado na primeira década do século XX, em estilo romântico, é composto pelas instalações de moinhos de trigo, casas para funcionários, escola, vila de operários e outras, ocupando uma área considerável junto ao porto Barão de Tefé. O conjunto arquitetônico é testemunho de uma fase importante da economia do estado – o ciclo da erva-mate. Há de se mencionar também a casa dos Matarazzo, situada sobre a colina em frente ao porto.

  • Complexo Industrial Matarazzo
  • Complexo Industrial Matarazzo
  • Complexo Industrial Matarazzo
  • Complexo Industrial Matarazzo
  • Complexo Industrial Matarazzo
  • Belvedere do Valente
  • Complexo Industrial Matarazzo

Estação Ferroviária

Localizado na Av. Uruguai, s/n. º, a estação Ferroviária de Antonina, terminal ferroviário da linha Curitiba/Morretes/Antonina, é exemplo vivo da fase áurea da exportação do mate, quando Antonina se destacava como 4º porto brasileiro. A construção deste prédio data do ano 1916, após o incêndio que destruiu a pequena estação em madeira. De estilo eclético, o prédio possui bom desenho de arquitetura, com detalhes e requintes, como a estrutura de cobertura da plataforma de embarque de ferro pré-fabricado.
Em 1977 a estação foi desativada pela RFFSA e no ano de 2002 foi adquirida pela Prefeitura e totalmente restaurada. Hoje encontra-se lá espaços abertos para locação de restaurante, artesanato, revistaria, café e dispõe também de espaços para exposições de arte , sala de convenções, vídeos e áudio.

  • Estação Ferroviária
  • Estação Ferroviária
  • Antigo vagão da RVPSC
  • Estação Ferroviária

Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)

Inaugurada oficialmente em 26/01/1971 pelo Presidente da República General Emílio Garrastazu Médici foi uma obra pioneira e ousada por suas características de projeto. A casa de força está encravada dentro da Serra do Mar, situada na margem direita do Rio Cachoeira. O acesso se dá pela PR 340, km 30. A represa desta usina encontra-se na BR 116 (trecho Curitiba - São Paulo) no município de Campina Grande do Sul, sendo as águas conduzidas por um gigantesco túnel que atravessa a Serra do Mar. A água captada no reservatório do Rio Capivari deságua no Rio Cachoeira, tornando-o bastante caudaloso. É a maior central subterrânea do sul do país. As visitas são permitidas somente nos fins de semana, e deverão ser previamente agendadas junto a Companhia Paranaense de Energia – COPEL.

  • Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)
  • Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)
  • Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)
  • Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)
  • Usina Hidrelétrica Governador Viriato Parigot de Souza (Capivari-Cachoeira)

Sede da Prefeitura Municipal de Antonina

Localizado na Rua XV de Novembro, 150, O prédio que abriga atualmente a sede da Prefeitura Municipal de Antonina é um elemento histórico da cidade, Em estilo eclético, foi uma das residências mais importantes do século XIX. Construído no final do século XIX pelo Coronel Líbero Guimarães, um abastado exportador de erva mate que foi prefeito da cidade.
Mais tarde, de residência de prefeito, passou a ser sede do Clube Antoninense. Este clube -- mais literário do que social – teve passagens marcantes nos anais culturais e literários da época. Foram seus visitantes ilustres: Dom Pedro II, Olavo Bilac, Santos Dumont, Gumercindo Saraiva e João Machado da Silva - O "Barão de Antonina", ilustre visitante que desembarcou no primeiro navio à vapor a ancorar no Paraná, denominado "Gentil Campista".

  • Sede da Prefeitura Municipal de Antonina
  • Sede da Prefeitura Municipal de Antonina
  • Sede da Prefeitura Municipal de Antonina

Teatro Municipal

Construído na segunda metade do século XIX, durante a fase áurea da economia de Antonina. Consta que o "Theatro" teria sido construído pela Sociedade Teatral de Antonina, fundada em 1875, sendo que a Prefeitura adquiriu o espaço no início do século XX. Por muitos anos funcionou como o cinema sendo um grande entretenimento para o povo da cidade. Possui uma área construída de 630m2, estilo eclético, rico em adornos. Há cerca de 10 anos o prédio foi restaurado readquirindo seus traços originais com toques de modernidade. Localiza-se na Rua Dr. Carlos Gomes da Costa, 322.

  • Teatro Municipal
  • Teatro Municipal

Setor Histórico de Antonina

Através dos anos a história da cidade de Antonina, foi se modificando, restando hoje estes monumentos que provam o esplendor do ciclo da erva-mate. Há diversas edificações de valor histórico na cidade, espalhadas por boa parte da região central, notadamente no entorno da Praça Coronel Macedo e nas diversas ruas que descem do morro da igreja matriz indo de encontro à baía, como a rua XV de Novembro. Possui diversas casas cujas fachadas foram restauradas e outras ainda em ruínas. A antiga Rádio Antoninense AM – 1520, hoje denominada Rádio Serra do Mar é um testemunho do setor histórico da cidade.

O antigo Clube Ipiranga

Localizado na Rua Vale Porto, próxima à Caixa Econômica Federal. Hoje funciona a câmara de vereadores do município de Antonina.

  • O antigo Clube Ipiranga
  • O antigo Clube Ipiranga
  • O antigo Clube Ipiranga

Arquitetura Histórica – Fotografias de Fernanda Magalhães Ferrari

Antonina é uma tranquila e aconchegante cidade do litoral paranaense com características coloniais das construções portuguesas. A Fotógrafa Profissional Fernanda Magalhães Ferrari documentou um pouco das muitas maravilhas que encontrou nesta linda cidade histórica do Nosso Litoral Do Paraná. Clique uma a uma e verá os olhos brilharem diante de indescritível beleza.

  • Arquitetura Histórica de Antonina - Foto: Fernanda Magalhães Ferrari
  • Arquitetura Histórica de Antonina - Foto: Fernanda Magalhães Ferrari
  • Arquitetura Histórica de Antonina - Foto: Fernanda Magalhães Ferrari
  • Arquitetura Histórica de Antonina - Foto: Fernanda Magalhães Ferrari
  • Arquitetura Histórica de Antonina - Foto: Fernanda Magalhães Ferrari